Quimioterapia

Esta informação é sobre a quimioterapia. Muitas pessoas com cancro têm de fazer quimioterapia como parte do seu tratamento.

Esperamos que esta informação responda às suas perguntas. Se tiver quaisquer outras dúvidas, pode perguntar ao seu médico ou aos enfermeiros do seu hospital.

Inclui informações sobre:

  • O que é o cancro?

  • O que é a quimioterapia?

  • Quando é que a quimioterapia é usada?

  • Administração da quimioterapia

  • Compreender o seu tratamento

  • Exames antes do tratamento

  • Onde é que o tratamento é administrado?

  • Quanto tempo demora o tratamento?

  • Efeitos secundários

  • Informações adicionais

O que é o cancro?

Os órgãos e tecidos do corpo são constituídos por minúsculos elementos base chamados células. O cancro é uma doença dessas células.

As células de cada parte do organismo podem ter aspectos e funcionamentos diferentes, mas na sua maioria reparam-se e reproduzem-se a si mesmas da mesma forma. Normalmente, as células dividem-se de forma ordenada e controlada. Mas se por qualquer motivo isso se descontrolar, as células continuam a dividir-se e transformam-se num nódulo a que se chama tumor.

Num tumor benigno, as células não se espalham para outras partes do corpo, por isso não se chama cancro. No entanto, as células podem continuar a crescer no local original e causar problemas devido à pressão sobre outras partes do corpo.

Num tumor maligno, as células conseguem disseminar-se para outras partes do corpo. O cancro vai começar a desenvolver-se numa parte do corpo. É o denominado cancro primário. Se o cancro não for tratado, pode disseminar-se. Caso se dissemine e desenvolva noutra parte do corpo, chama-se cancro secundário ou metastizado.

O que é a quimioterapia?

A quimioterapia usa medicamentos anti-cancerígenos para destruir as células cancerígenas. Os medicamentos são transportados no sangue de modo a poderem chegar às células cancerígenas na maioria do organismo. O tratamento funciona danificando as células que se estão a dividir de modo a que morram. As células saudáveis também são danificadas, mas geralmente reparam-se a si mesmas.

Pode ser-lhe administrado um ou mais medicamentos durante o seu tratamento. O seu médico vai falar consigo sobre a utilidade do tratamento e de que forma o/a pode ajudar. Também lhe vai explicar como é provável que se vá sentir enquanto estiver a tomar esses medicamentos.

Quando é que a quimioterapia é usada?

A quimioterapia é um tipo de tratamento para o cancro. Pode ser administrada para curar ou para controlar o cancro. Também pode ser administrada para tentar prevenir a recidiva do cancro. Os outros tipos de tratamento incluem a cirurgia, a radioterapia ou o tratamento hormonal.

Algumas pessoas podem fazer quimioterapia antes de serem submetidas à cirurgia, para reduzir o tamanho do cancro de forma a facilitar a cirurgia.

Outras pessoas podem fazer o tratamento depois da cirurgia ou da radioterapia, de forma a ajudar a reduzir o risco de o cancro voltar a surgir. Algumas vezes, a quimioterapia é feita em conjunto com radioterapia.

Nalgumas pessoas, o cancro pode ter-se disseminado para outras partes do corpo (cancro secundário ou metastizado). A quimioterapia pode ajudar a reduzir o cancro e a controlá-lo melhor. Também pode melhorar alguns sintomas do cancro e ajudar as pessoas a viver durante mais tempo.

Administração da quimioterapia

Normalmente, a pessoa é submetida ao tratamento de quimioterapia em várias sessões. Cada sessão é seguida de um período de repouso. A sessão de tratamento e o período de repouso são designados por ciclo de tratamento. Um determinado número de ciclos perfaz um tratamento. O seu oncologista irá falar consigo sobre a quantidade de ciclos que vai fazer.

Os medicamentos de quimioterapia são geralmente administrados numa veia ou por via oral. Por vezes, são administrados por meio de uma injeção sob a pele, no músculo, no fluido à volta da coluna vertebral ou numa cavidade do corpo tal como a bexiga. Os cremes quimioterapêuticos podem ser usados para tratar alguns cancros da pele.

Quimioterapia intravenosa

Muitos medicamentos são administrados por meio de uma injeção numa veia:

  • Cânula: Um pequeno tubo inserido numa veia no braço ou nas costas da mão;

  • Catéter central (catéter venoso tunelizado subcutâneo): Um tubo fino introduzido através da pele do peito numa veia junto do coração;

  • Catéter PICC ou catéter venoso central de inserção periférica: Um tubo fino é passado para uma veia na curva ou na parte superior do braço e enfiada através dela, até que o final do tubo fique dentro de uma veia perto do coração;

  • Cateteres totalmente implantáveis tipo “port-a-cath”: Um tubo de plástico fino e macio que é colocado numa veia perto do coração. Parece um inchaço por baixo da pele no seu peito.

Algumas vezes, são usadas bombas de infusão para administrar uma pequena quantidade do medicamento durante um certo período de tempo. Podem funcionar durante dois dias ou até uma semana. A bomba pode permanecer durante mais tempo, mas será substituída todas as semanas. Pode ir para casa com ela e continuar com a sua vida diária.

Comprimidos ou cápsulas por via oral

Algumas pessoas podem tomar comprimidos ou cápsulas. Nem todos os tratamentos podem ser administrados desta forma. A maioria das pessoas que tomam comprimidos ou cápsulas podem tomá-los em casa. É importante não esquecer que são medicamentos de quimioterapia e que também podem ter efeitos secundários.

Compreender o seu tratamento

Antes de fazer qualquer tratamento, o seu médico ou enfermeiro irá explicar-lhe porque é que necessita do tratamento e qual a frequência do mesmo. Irão explicar-lhe como se poderá sentir depois do tratamento e falar-lhe dos eventuais efeitos secundários.

Quando falar com o cirurgião vão pedir-lhe que assine um formulário para comprovar que concorda com o tratamento de quimioterapia e que compreende os seus possíveis efeitos secundários. A isso chama-se dar o consentimento.

Lembre-se que não lhe pode ser administrado nenhum tratamento a menos que compreenda porque é que o vai fazer e como se poderá sentir.

Exames antes do tratamento

Pode precisar de fazer alguns exames antes de iniciar o seu tratamento. Os exames ajudam os médicos a terem a certeza de que se encontra suficientemente bem para fazer o tratamento. Geralmente incluem análises ao sangue e talvez análises à urina ou exames ao coração. Por vezes também pode precisar de fazer radiografias ou tomografias antes de iniciar o tratamento.

Antes de cada ciclo de tratamentos, é normal fazer uma análise ao sangue e ser observado/a pelo médico ou enfermeiro. Isto pode ser feito no dia do seu tratamento ou um dia ou dois antes. Eles irão verificar os resultados das suas análises ao sangue e perguntar-lhe como se tem sentido desde o seu último tratamento.

Onde é que o tratamento é administrado?

O seu tratamento vai ser administrado numa unidade de dia de quimioterapia. Pode falar com o seu médico ou enfermeiro sobre o local onde pode fazer o tratamento, mas é importante que seja o local mais seguro para si. Pode ter de viajar para fazer o seu tratamento, dependendo do local onde vive. Nesse caso tem direito a transporte, geralmente solicitado por si após as sessões.

Quanto tempo demora o tratamento?

Pode fazer a maioria dos tratamentos intravenosos como paciente de ambulatório no hospital, que podem demorar entre meia hora até algumas horas. Algumas pessoas podem ter de ficar no hospital durante algum tempo. Se estiver a tomar comprimidos ou cápsulas ou a usar cremes de quimioterapia, pode fazê-lo em casa. O seu tratamento poderá durar algumas semanas ou vários meses.

Alterações ao seu plano de tratamento

Os seus médicos vão usar análises ao sangue ou à urina para verificarem os efeitos da quimioterapia sobre o seu corpo. O médico também o pode observar e ver os resultados de análises ao sangue, tomografias ou radiografias. Por vezes, o seu tratamento pode ter de ser mudado. O seu médico irá falar sobre esta questão consigo.

Algumas vezes, o seu tratamento pode ter de ser adiado para dar mais tempo ao seu corpo para recuperar antes de iniciar o próximo ciclo de tratamento. A razão mais comum para adiar um tratamento é devido a uma contagem demasiado baixa dos glóbulos brancos no sangue.

Efeitos secundários

Os medicamentos da quimioterapia podem causar efeitos secundários que o/a fazem sentir-se indisposto, pois afetam algumas das células saudáveis do seu corpo. Os danos nas células saudáveis costumam durar pouco tempo e a maioria dos efeitos secundários irá melhorar. Alguns efeitos secundários podem durar mais tempo. O seu médico ou enfermeiro vão explicar-lhe estes efeitos e dizer-lhe quanto tempo podem durar.

Diferentes medicamentos causam diferentes efeitos secundários, e cada pessoa reage de uma forma diferente. Algumas pessoas sentem muito poucos efeitos secundários, enquanto outras podem sentir mais.

Descrevemos aqui os efeitos secundários mais comuns. Estes não afetam todas as pessoas que fazem o tratamento. Se notar quaisquer efeitos secundários que não sejam indicados aqui, ou se quiser saber mais acerca dos efeitos secundários, fale com o seu médico ou enfermeiro.

O seu enfermeiro vai dar-lhe um número ou números de telefone para ligar para o hospital se não se sentir bem ou se necessitar de aconselhamento. Guarde esses números no seu telemóvel e/ou num local seguro.

Infeção

A quimioterapia pode reduzir o número de glóbulos brancos no sangue, o que vai fazer com que tenha mais probabilidades de contrair uma infeção. Quando a contagem de glóbulos brancos é baixa, chama-se neutropenia.

Contacte imediatamente o hospital através do número de contacto que lhe deram, se:

  • a sua temperatura for superior a 37,5°C (99,5F) ou superior a 38°C (100,4F), dependendo da informação que lhe foi dada pela sua equipa de quimioterapia;

  • de repente não se sentir bem, mesmo se tiver uma temperatura normal;

  • tiver sintomas de uma infeção – estes podem incluir sentir-se trémulo/a, ter a garganta inflamada, tosse, diarreia ou necessitar de urinar com muita frequência.

Geralmente, a sua contagem de glóbulos brancos aumenta progressivamente e volta ao normal antes do tratamento seguinte. Irá fazer uma análise ao sangue antes de fazer mais quimioterapia. Se a contagem das suas células sanguíneas continuar baixa, o seu médico pode adiar o seu tratamento durante algum tempo.

Anemia

A quimioterapia pode reduzir o número de glóbulos vermelhos no sangue. Os glóbulos vermelhos transportam o oxigénio através do corpo. Se a contagem de glóbulos vermelhos estiver baixa, pode sentir-se cansado/a e sem fôlego. Se for este o caso, informe o seu médico ou enfermeiro. Se estiver muito anémico/a, pode precisar de terapia intravenosa para obter mais glóbulos vermelhos (transfusão de sangue).

Hematomas e hemorragias

O seu tratamento pode reduzir a contagem do número de plaquetas no sangue. As plaquetas são células que ajudam à coagulação do sangue. Informe o seu médico, se tiver quaisquer hematomas ou hemorragias sem explicação. Por exemplo, hemorragia nasal e gengival, manchas de sangue ou erupções cutâneas. Algumas pessoas podem precisar de terapia intravenosa para obterem mais plaquetas.

Cansaço

O cansaço é um efeito secundário habitual. Frequentemente piora perto do fim do tratamento e pode durar algum tempo depois de terminar o seu tratamento. Tente baixar o seu ritmo e descanse tanto quanto precisar. É útil se intercalar o repouso com alguns exercícios ligeiros, como caminhadas curtas. Se sentir sonolência, não deve conduzir nem manobrar máquinas.

Enjoos ou má disposição

É normal sentir enjoos ou má disposição nos primeiros dias depois da quimioterapia. O seu médico vai receitar-lhe medicamentos contra o enjoo para ajudar a prevenir ou controlar os enjoos. Tome-os exatamente como indicado pelo seu enfermeiro ou farmacêutico.

Se continuar a sentir enjoos ou má disposição, contacte o hospital o mais depressa possível, para que o aconselhem e lhe substituam o medicamento contra o enjoo por outro que lhe faça mais efeito.

Obstipação (prisão de ventre)

A obstipação ou prisão de ventre é quando não tem movimentos intestinais durante algum tempo. Geralmente, recomenda-se a ingestão de muitos líquidos, alimentos mais ricos em fibras e a prática de exercícios ligeiros. Além disso, também poderá ter de tomar um laxante. O seu médico pode receitar-lho ou pode comprá-lo diretamente numa farmácia.

Diarreia

A diarreia é quando tem movimentos intestinais soltos mais frequentemente do que o habitual. Pode ter algumas dores de estômago. Informe o seu médico se isso acontecer. A diarreia pode ser facilmente controlada com medicação. É importante beber muitos líquidos se tiver diarreia.

Boca inflamada

A sua boca pode ficar inflamada ou seca, ou pode notar o aparecimento de pequenas úlceras durante o tratamento. Recomenda-se a ingestão de muitos líquidos e lavar os dentes suavemente com uma escova de dentes macia.

Também deve evitar alimentos que irritam a boca, tais como alho, cebola, pimentos picantes ou sumos de citrinos. Informe o seu médico ou enfermeiro se sentir a boca inflamada. Eles podem fornecer-lhe conselhos sobre os cuidados a ter com a boca e providenciar-lhe anti-sépticos bucais e medicamentos para prevenir ou curar as infeções da boca.

Perda de apetite

Algumas pessoas perdem o apetite, durante alguns dias ou um período de tempo mais prolongado. Se pensa que não está a comer o suficiente, ou se está a perder peso, pode pedir para ir à consulta de um nutricionista ou enfermeiro especializado no hospital onde é tratado/a. Estes podem dar-lhe aconselhamento sobre como melhorar o seu apetite e manter um peso saudável.

Alterações do paladar

Pode notar que a comida tem um sabor diferente. Geralmente, o paladar volta ao normal depois de terminar o tratamento. Algumas pessoas sentem na boca um sabor estranho amargo ou a metal. Chupar rebuçados com sabores fortes ou mentolados pode ajudar.

Perda de cabelo

Nem todos os medicamentos de quimioterapia fazem cair o cabelo. Alguns podem causar apenas uma ligeira queda. Outros podem provocar a queda de todo o cabelo, o que pode ser bastante perturbador.

Se o seu cabelo cair, normalmente isso ocorre duas a três semanas depois de ter iniciado o tratamento, embora por vezes possa começar a cair ao fim de alguns dias. Geralmente, volta a crescer alguns meses depois de terminar o tratamento.

Algumas pessoas que fazem tratamento com certos tipos de quimioterapia podem conseguir reduzir a queda de cabelo usando uma touca hipotérmica para quimioterapia. A isso chama-se arrefecimento do couro cabeludo. Nem todas as pessoas podem fazer o arrefecimento do couro cabeludo, mas pode perguntar ao seu médico ou enfermeiro se isso lhe seria útil.

É importante informar o seu médico imediatamente caso se sinta mal ou sinta quaisquer efeitos secundários graves, mesmo que não estejam aqui mencionados.

Informações adicionais

Risco de coágulo sanguíneo

O cancro aumenta a probabilidade de desenvolver um coágulo sanguíneo e a quimioterapia pode aumentar ainda mais esse risco. Um coágulo sanguíneo pode causar sintomas como dor, vermelhidão e inchaço numa perna, dificuldade em respirar e dores no peito. Contacte o seu médico imediatamente se sentir alguns destes sintomas. Um coágulo sanguíneo é grave, mas o seu médico pode tratá-lo com anticoagulantes. O seu médico ou os enfermeiros podem dar-lhe mais informações.

Outros medicamentos

Alguns medicamentos, incluindo os que pode comprar numa loja ou farmácia, podem ser prejudiciais se os tomar enquanto estiver a fazer quimioterapia. Informe o seu médico sobre quaisquer medicamentos que estiver a tomar, incluindo medicamentos de venda livre, terapias complementares e medicamentos à base de plantas.

Fertilidade

O seu tratamento pode afetar a sua capacidade de engravidar ou conceber um filho. Se estiver preocupado/a com isso, pode falar com o seu médico ou enfermeiro antes de iniciar o tratamento.

Contracepção

O seu médico irá aconselhar a não engravidar nem conceber um filho durante o tratamento, porque os medicamentos podem prejudicar o desenvolvimento do bebé. É importante usar métodos de contracepção durante a quimioterapia e alguns meses após esta ter terminado. Pode falar sobre este assunto com o seu médico ou enfermeiro.

Relações sexuais

Se tiver relações sexuais durante os primeiros dias do tratamento de quimioterapia, deve usar um preservativo, a fim de proteger o seu parceiro ou a sua parceira.

Amamentação

Não deve amamentar durante o tratamento e alguns meses depois do mesmo, porque ainda poderá existir quimioterapia no leite materno.

Tratamentos médicos e dentários

Se precisar de ir ao hospital por qualquer outro motivo que não seja o cancro, informe sempre os médicos e enfermeiros de que está a fazer quimioterapia. Informe-os do nome do seu oncologista para que lhe possam pedir aconselhamento.

Fale com o seu médico ou enfermeiro se pensa que vai precisar de tratamentos dentários. Informe sempre o seu dentista de que está a fazer quimioterapia.

Viagens

Se tem férias planeadas, é muito importante informar o seu médico ou enfermeiro acerca dos seus planos. Dado que o tratamento afeta o sistema imunitário, não vai poder tomar algumas vacinas, e as viagens de avião poderão ser desaconselhadas.

Os créditos desta informação foram compilados pela Macmillan Cancer Support e adaptados pela SOS Oncológico